Candidatos na sarjeta

Gilberto Amendola

06 de setembro de 2012 | 15h22

Ainda falta 1 mês para o dia da  eleição, mas já tem candidato a vereador pensando em estratégias para conquistar o eleitor na hora da xepa.  Ou melhor, na boca de urna.

Em conversa com colegas de aspiração política, aprendo como conquistar o voto daquelas pessoas que simplesmente “votam em qualquer um”.

Segundo meus pares, para ser o “qualquer um” mais votado, eu preciso fazer “chover” santinhos na madrugada da véspera da eleição.

Como?

Na calada da noite, o candidato ou uma equipe contratada pelo candidato deve passar por pontos estratégicos da cidade – próximos às escolas mais movimentadas –, e espalhar seus santinhos.

Repetindo: o candidato deve forrar as calçadas com sua cara, nome e número. Deve sujar as ruas com os tais santinhos para colher o voto daquele eleitor que deixou a decisão para  momentos antes de chegar à urna.

– A maioria dos votos vem assim. A pessoa não sabe em quem votar, mas, no caminho da sua escola, ela acaba pegando um santinho no chão e votando naquele candidato. Tem gente que faz isso para não passar vergonha – disse um candidato.

Outro candidato me conta que está economizando na distribuição de santinhos porque no dia da eleição que “jogar” mais de 10 mil no chão. “Se o candidato é esperto, ele vai estar presente ao longo de todo o caminho do seu eleitor. Da porta de casa até a porta da sessão. Não pode ter dó, tem que espalhar mesmo. Todo o candidato que eu conheço faz isso. Faz parte da eleição”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.