As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Melhorar serviços públicos por meio de sistemas inteligentes

Magda Lisboa, matemática pela UFRJ, líder MLG com MBAs nas áreas de Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial e Tecnologia da Informação na Administração de Negócios

12 de maio de 2017 | 09h25

É indiscutível que a Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) é o grande trunfo que os gestores têm para inovação e presteza na tomada de decisões do dia a dia, e também em longo prazo, considerando que existe um plano para orientá-lo; a este processo chamamos de Gestão Estratégica.

A TIC só poderá ser efetiva se os problemas a serem resolvidos estiverem muito claros. O princípio das intervenções, com base nos ensinamentos da Kennedy School, em Harvard, e no MLG, do Centro de Liderança Pública, pode ser resumido como: 1) entender os problemas que queremos resolver; 2) traçar um propósito claro para a solução dos mesmos; 3) dividir a tarefa em passos com metas claras; 4) começar com etapas pequenas e valorizar os resultados alcançados como ondas e; 5) evoluir no planejamento. Muito importante é identificar se os desafios são problemas simples, complicados ou complexos, entender que, no caso dos problemas complexos, não temos respostas imediatas e devemos apreender com os desdobramentos até o desfecho esperado.

Diante do diagnóstico dos problemas que se deseja resolver, é importante ter um planejamento estratégico municipal trabalhado de forma coletiva, com a participação ativa dos munícipes, sendo que um plano bom é colaborativo, faz os atores se sentirem como parte da criação e os levam a assumir o futuro compromisso com os resultados – aqui o papel das lideranças é essencial. O plano gerado conterá a visão de futuro do que se deseja para o município e quais serão os projetos orientadores. Com base nos projetos, as informações mais fundamentais serão destacadas e um planejamento estratégico de Tecnologia da Informação poderá ser mapeado – devendo estar alinhado com o Plano Plurianual e Plano Diretor.

Observamos que normalmente o plano traz as transformações, acredita-se que já existem processos da área meio consolidados, tais como recursos humanos, financeiros e fiscais. Não existindo estes, o plano incluirá todo o arcabouço de sistemas de informação e naturezas de informações. O plano de sistemas de informação conterá as necessidades de hardware, software, telecomunicação, sendo que o software que corresponde aos sistemas deve ser operacional, tático e estratégico, com destaque também para sistemas de gestão de conhecimento.

É fundamental que os processos organizacionais do município estejam identificados: processos finalísticos, da área meio e da área de gestão. Quando se opta por desenvolver sistemas de informação, a fase inicial é conhecer o processo, fazer melhorias, inovar, cortar o que é antigo e que não funciona, que é burocrático e envolve muito esforço. Como consequência, um novo processo é desenhado.

Para implantar sistemas é necessário ter a infraestrutura de hardware necessária, que significa servidores, bancos de dados, computadores e redes. Esforços de investimentos devem ser priorizados e as possibilidades de financiamentos acionadas com antecedência. O maior desafio no cenário atual é conseguir o investimento necessário. É preciso buscar parceiros e patrocinadores.

Os municípios têm processos básicos de trabalho muito parecidos, então se deve buscar fazer benchmarking e conhecer o estado da arte do que tem sido feito em outras localidades – o que por vezes pode incluir outros lugares do mundo. Soluções como ferramentas de colaboração existentes, como o Colab, estão disponíveis. Também existem portais de transparência, como o Meu Município e o Datapedia. É tão evidente que inúmeros municípios buscam as mesmas soluções, pois os problemas são os mesmos.

Hoje os sistemas inteligentes estão apoiados nas soluções de georreferenciamento, sistemas de informações geográficas (SIG)  e soluções de colaboração e workflow. É inegável o avanço que tivemos com as soluções google e sistemas como waze. Assim, parece possível afirmar que a melhoria de serviços públicos passa por sistemas inteligentes.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.