As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Desburocratização no licenciamento de alvarás de empresas e eventos

Magda Lisboa é ex-aluna do Master em Liderança e Gestão Pública pelo CLP e Diretora da Empresa ATTIVA ESTRATÉGIA (www.attivaestrategia.com.br), tem vasta experiência no setor público e privado. 

30 de agosto de 2018 | 08h45

Atuar na Gestão Pública é um processo envolvente e dominante, pois instiga os mais profundos desejos de mudança que um gestor transformador e visionário, imbuído de senso de urgência e forte propósito, quer deixar de legado. Durante alguns anos, atuando na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (PCRJ), apresentei a solução workflow como ferramenta ideal para nossos processos de alvarás, criamos o Programa de Concessão de Alvarás e gerenciamos seus projetos, que foram pioneiros dentro da Prefeitura como solução para desburocratização, agilidade, transparência, algo inovador para a cultura organizacional (acesse prefeitura.rio/web/riomaisfacil).

E para fazer a mudança acontecer é fundamental honrar a abordagem ou método; assim, transformei em empírico o que aprendi com o Centro de Liderança Pública – CLP, em termos de Liderança Adaptativa: “IDENTIFICAR O DESAFIO, CRIAR E COMUNICAR A VISÃO, CRIAR A EQUIPE E DESAFIAR O SISTEMA, MANTER O RITMO GERENCIANDO CONFLITOS E CONSOLIDAR E INSTITUCIONALIZAR. ”

Em 2015, a Prefeitura realizou então, através da Secretaria Executiva de Coordenação de Governo, SEOP e IPLAN/Fornecedor de TI, a grande mudança de paradigma nos processos de Licenciamentos e de Autorizações para Eventos e Abertura de Negócios, transformando de presencial e físico para online e virtual todas as interações entre os contribuintes e os agentes públicos, as entregas de documentos e o arquivamento dos processos, de forma a ganhar economicidade e reforçar a impessoalidade na ação do poder público.

A iniciativa de desburocratização teve um olhar sistêmico, mapeou um novo processo e alterou a legislação vigente através de novos decretos. O processo que antes exigia por parte do contribuinte o comparecimento às IRLFs e vários Órgãos, demandava abertura de processo administrativo físico, com a conferência pelo fiscal, de até 16 documentos, passou a ser 100% virtual, o contribuinte hoje realiza tudo online e os documentos são anexados no sistema e têm a integração com o REGIN, contou com as parcerias do SEBRAE, JUCERJA, RCPJ e implementou as diretrizes da REDESIM.

No caso de autorização para Eventos, antes da intervenção o contribuinte comparecia em até 8 Órgãos e Secretarias e chegava a juntar 79 documentos. Hoje ele faz tudo online anexando apenas 2 documentos e fazendo alguns clicks na interface do sistema.

Tudo isso descreve uma intervenção de liderança que quer mudança. E hoje a tecnologia da informação dispõe de ferramentas BPMs (Business Process Management) que mapeiam o processo, este passa por melhorias e otimizações de forma muito rápida e um sistema de interface workflow simples é construído e os resultados alcançados com rapidez.

Hoje estou à frente da Consultoria ATTIVA ESTRATÉGIA, especializada em gestão, estratégia e inovação, identificando que as causas das “dores dos clientes”, quase sempre são encontradas nas deficiências dos processos.

Colabore, faça parcerias com líderes digitais, é fácil e possível transformar o cenário dos processos; a tecnologia hoje em dia é muito prática, depende de empowerment de liderança transformadora!

 

Uma primeira versão desse texto foi publicada em outrora aqui nesse blog.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.