As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conhecimento tácito: Um ativo a ser considerado!

Humberto Dantas

10 de setembro de 2020 | 17h47

Autora do texto:

Ana Paula Bertolin é Mestre em Administração com área de concentração em Gestão Estratégica da Informação e do Conhecimento pela PUC/PR e líder MLG – Master em Liderança e Gestão Pública, pelo centro de Liderança Pública – CLP, atualmente é Assessora de Projetos no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba – IPPUC.

No texto, Ana Paula fala sobre a provável perda de conhecimento que ocorrerá no setor público após o envelhecimento da força de trabalho e a rotatividade de pessoal, um movimento natural. Para ela, é necessário gerenciar o conhecimento e distribuí-lo de maneira efetiva. Construir uma memória organizacional e reter o conhecimento tácito é essencial em um processo contínuo de modernização. Leia:

A nova Reforma Administrativa Pública para modernização do Estado se faz necessária e está agora sendo apresentada. Novos modelos, novos métodos, agilidade e inovação são pontos relevantes para que a máquina pública se mova com a competência necessária para o desenvolvimento.

Toda a organização, e aqui falamos na organização materializada pelo Estado, é composta por pessoas, e as organizações podem aprender de qualquer um deles individualmente. Neste sentido, o indivíduo passa a ser fundamental neste processo, pois é ele quem compartilha e dissemina as experiências adquiridas com os trabalhos
em que está envolvido.

No contexto empresarial, o conhecimento é descrito por cinco elementos que se correlacionam: o conhecimento explícito (informação), a habilidade (o saber fazer), a experiência (erros e sucessos), os julgamentos de valor (o que se acredita estar certo) e a rede social (relações humanas).

Ricardo Hausmann, professor em Harvard, em 2013 já nos falava sobre a relação entre o progresso tecnológico e a riqueza dos países, alertando que para efetivar esse progresso a chave para o sucesso reside no conhecimento tácito. Não basta somente educação formal para manter a construção do conhecimento, é necessário SABER
FAZER e isso é algo que vai além do que está disponível em livros, é o que se une a experiência dos que utilizam este conhecimento na aprendizagem prática. É uma crescente construção.

O desenvolvimento de um trabalho, serviço ou produto requer mais de um conhecimento específico. Então, pessoas com diferentes conhecimentos são necessárias para que desenvolva a sua parte no contexto do negócio. E onde se encaixa a Nova Reforma Administrativa Pública?

Está previsto que até 2030, 35% dos servidores estejam se aposentando e esse é um movimento normal e não deve ser visto como algo crítico, mas deve ser analisado com uma certa criticidade. Visto que o conhecimento é reconhecido como um recurso estratégico importante no atual ambiente organizacional, a situação nos remete à
escassez de especialização, ou seja, de conhecimento em um planejamento de sucessão.

Já é comprovado que movimentos como esse podem levar a perdas importantes de conhecimento em uma organização, visto que ao se desligarem, funcionários levam consigo um conhecimento tácito relevante que pode afetar a capacidade de ação da organização principalmente em setores que requerem conhecimento especializado,
afetando assim a capacidade de progresso.

Gerenciar conhecimento é o elo necessário para integrar um planejamento sucessório para compor não somente a gestão, mas também o desenvolvimento organizacional da máquina pública. Estudos nos mostram que governos, de qualquer uma das esferas, que gerenciam e distribuem de maneira efetiva e ativa os seus conhecimentos são
aqueles que os retém e desenvolvem da melhor maneira. Assim, o processo de retenção do conhecimento se torna parte crítica de um planejamento sucessório, mantendo, portanto, sua capacidade de ação a longo prazo e o consequente desenvolvimento e inovação.

Práticas coordenadas focadas na retenção de conhecimento representam fatores cruciais para lidar com o envelhecimento da força de trabalho e a rotatividade de pessoal. Este movimento precisa ser coordenado para que governos observem e garantam a relação entre o conhecimento individual e o organizacional.

Portanto, a construção de uma base de conhecimento é um fator crítico de sucesso. Afinal, conhecimento é um ativo! Construir uma memória organizacional e reter o conhecimento tácito é essencial em um processo contínuo de modernização.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: