Santos Cruz, a publicidade oficial e os ‘blogueiros amigos’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Santos Cruz, a publicidade oficial e os ‘blogueiros amigos’

José Fucs

07 de maio de 2019 | 18h06

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Os ataques desferidos contra o general Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, são um exemplo emblemático de como funciona a “máquina” de destruição de reputação dos “bolsolavistas” nas redes sociais, tema de reportagem publicada recentemente pelo Estadão.

O próprio Santos Cruz afirmou, segundo o Globo, tratar-se de uma “ação coordenada” e não um ato espontâneo, com a participação de Carlos e Eduardo Bolsonaro, filhos do presidente, do chefe da Secretaria de Comunicação, Fábio Wajngarten, e de assessores presidenciais ligados a Olavo de Carvalho, além do próprio escritor, que deu a senha para o linchamento virtual do general em críticas feitas a ele nas redes.

Até o presidente engrossou o coro dos descontentes em sua conta no Twitter, ao desautorizar Santos Cruz por ter criticado o uso das redes por “radicais” e defendido a necessidade de se “aprimorar” a legislação sobre a questão no País, em claro recado às “milícias” virtuais que apoiam Bolsonaro e passaram a golpear  em massa o ministro e outros militares do governo nas últimas semanas.

O real motivo para o descontentamento com Santos Cruz, porém, tem pouco a ver com a defesa “apaixonada” da liberdade de expressão pelos bolsolavistas. Na verdade, o que está por trás da ira da ala mais ideológica dos apoiadores de Bolsonaro contra Santos Cruz é a determinação do ministro em manter fechada a torneira dos gastos publicitários, particularmente para os chamados “blogueiros amigos”, uma categoria que inclui youtubers e outros “influenciadores” digitais, sedentos pelo dinheiro oficial para reforçar a musculatura.

Como se sabe, tanto Carlos como Eduardo Bolsonaro defendem o uso da rede bolsonarista na internet contra o que consideram como “perseguição” da mídia tradicional ao presidente. Olavo também já disse nas redes que gostaria de ter um “patrocínio” para  oferecer gratuitamente o seu curso online de filosofia.

Ironicamente, foi nos governos do PT que a prática de liberar milhões de reais em recursos públicos, para financiar veículos chapa-branca na internet, foi levada ao limite, tornando-se alvo de críticas generalizadas na época, inclusive por parte de bolsonaristas e olavistas. Mas agora, com Bolsonaro no poder, a ala mais radical de seus apoiadores, amparada por Carlos e Eduardo, quer seguir a mesma estratégia.

No momento, ainda não há uma definição sobre a questão. Se forem confirmadas as notícias de que o presidente poderá tirar a Secretaria de Comunicação (Secom) da esfera de Santos Cruz, o País deverá reviver os tempos do PT na comunicação oficial, com sinal trocado.

 

Mais conteúdo sobre:

BolsonaroSantos CruzPublicidade