Após saída do governo, Paulo Ubel deve voltar para o setor privado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após saída do governo, Paulo Ubel deve voltar para o setor privado

José Fucs

18 de agosto de 2020 | 18h47

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O ex-secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, deverá voltar para a iniciativa privada. Uebel, que atribuiu sua saída do governo na semana passada à resistência do presidente Jair Bolsonaro em encaminhar ao Congresso a proposta de reforma administrativa, não revelou, porém, o que deverá fazer do “outro lado do balcão” nesta nova fase.

Embora seja amigo de Filipe Sabará, pré-candidato do Novo à prefeitura de São Paulo, ele disse que não vai atuar como uma espécie de “supersecretário”  de sua campanha. “Eu e o Sabará somos amigos, mas não tem nada disso”, afirmou. “É só especulação, porque estávamos juntos no final de semana.”

Formado em direito e em ciências sociais pela PUC gaúcha, com especialização em direito tributário, financeiro e econômico pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mestrado em administração pública pela Columbia University, em Nova York, Ubel atuou em empresas do setor financeiro e em organizações empresariais e de promoção do liberalismo no País, antes de assumir o cargo de secretário de Gestão na gestão de João Doria na prefeitura paulistana e de ser chamado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para fazer parte de sua equipe.

Foi CEO da Webforce Venture Capital e diretor da Finvest, voltadas ao investimento de risco em empresas emergentes, e CEO Global do LIDE — Grupo de Líderes Empresariais, criado por Doria, hoje à frente do Palácio dos Bandeirantes. Foi, também, diretor executivo do Instituto Millenium, entidade  que promove a democracia, a economia de mercado e o estado de direito. Antes, trabalhou como advogado tributarista por cinco anos. Foi também presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), conselheiro da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul e diretor da Federação das Entidades Empresariais no Estado.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: