Webjet passa a cobrar por lanches a bordo

A companhia aérea Webjet começou ontem a cobrar pelos lanches servidos durante os voos, seguindo os passos da concorrente Gol. A medida, segundo a empresa, busca equilibrar os custos operacionais para dar sustentação à estratégia de se consolidar como uma companhia de baixo custo

Marcelo Moreira

05 de novembro de 2010 | 18h21

Glauber Gonçalves

A companhia aérea Webjet começou ontem a cobrar pelos lanches servidos durante os voos, seguindo os passos da concorrente Gol. A medida, segundo a empresa, busca equilibrar os custos operacionais para dar sustentação à estratégia de se consolidar como uma companhia de baixo custo.

Nas últimas semanas, a Webjet anunciou voos para Ribeirão Preto (SP), Navegantes (SC) e Foz do Iguaçu (PR) com tarifas a partir de R$ 29, patamar abaixo do oferecido pelas principais concorrentes.

De acordo com o presidente da companhia, Fábio Godinho, para continuar com essa política de preços, a Webjet não pode abrir mão da cobrança pelas refeições servidas nas aeronaves.

“Não existe mágica, o serviço de bordo é subsidiado pelo preço da passagem. Se não está incluído, eu posso cobrar uma tarifa mais baixa”, afirma. Ao contrário da Gol, a Webjet não oferecerá uma opção básica gratuita.

O passageiro que quiser fazer refeições durante os voos terá de desembolsar entre R$ 3 e R$ 12 e poderá escolher entre itens como sanduíches, sopa, cerveja, refrigerantes, sucos e bebidas quentes. O valor mais alto é referente aos “combos”, que agregam um sanduíche ou biscoito, bebida e um chocolate.

 Godinho está confiante com relação à novidade e acredita que os passageiros receberão bem a mudança. “Melhor do que receber um amendoim é poder ter uma refeição decente a bordo. É um modelo mais democrático, pois você paga pelo que consome”, avalia.

“A receptividade será favorável porque a cobrança é combinada com tarifas baixas. É claro que você cobrar uma tarifa alta e ainda cobrar o serviço de bordo não seria bem aceito”, complementa.

No começo, o pagamento das refeições somente poderá ser feito em dinheiro, mas, a partir do ano que vem, cartões também serão aceitos. O serviço de bordo da Webjet foi terceirizado para a LSG Sky Chef’s, subsidiária do Grupo Lufthansa, do qual faz parte a companhia aérea alemã. As receitas serão divididas entre as duas empresas.

A Webjet, quarta maior empresa aérea nacional, alcançou, no início do mês, a marca de 9 milhões de passageiros transportados e espera a chegada de três novos Boeings 737-300. Essas aeronaves são configurados para 148 passageiros, deste modo a companhia planeja aumentar o número de pessoas atendidas

Tudo o que sabemos sobre:

AnacWebjet

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.