Conflito de dados impede portabilidade

Marcelo Moreira

16 de abril de 2009 | 18h55

GERUSA MARQUES – AGÊNCIA ESTADO

O superintendente de Serviços Privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Jarbas Valente, informou ontem que cerca de 40 mil clientes da telefonia celular que pediram para mudar de operadora pelo sistema da portabilidade tiveram problema para efetivar a migração. Segundo ele, a maior dificuldade está nos dados do cadastro do usuário do telefone.

A confusão, explicou o superintendente, está no fato de que muitos clientes usam uma linha que está em nome de outra pessoa, porque foi comprada por um amigo ou parente, por exemplo.

Na operadora antiga, consta o nome da pessoa que comprou e na nova operadora o do verdadeiro usuário. Essa incompatibilidade de dados impede a migração.

Até a semana passada, 1 milhão de pessoas pediram a portabilidade. Deste total, 700 mil são clientes da telefonia celular, dos quais 500 mil estão no sistema pré-pago. O problema estaria atingindo cerca de 8% desse total de pré-pagos que pediram a migração.

A Anatel, segundo Valente, orientou as empresas a checar se o telefone não faz parte de um cadastro de aparelhos roubados e, se estiver tudo certo, autorizar a migração, atualizando o cadastro.

Valente explica que as empresas vão desligar o celular de quem pedir a migração e se recusar a atualizar o cadastro. O objetivo dessa medida, segundo ele, é o de evitar fraudes.

“Isso vai contribuir para a implantação de um cadastro único e confiável”, afirmou Valente, depois de participar de audiência pública na Câmara dos Deputados.

SAIBA COMO UTILIZAR A PORTABILIDADE

  • Segundo orientação do Procon-SP, antes de solicitar a transferência para outra operadora, os consumidores devem conferir se os dados da linha estão corretos e regularizar a situação. Se não fizerem isso, ficarão impossibilitados de usufruir dos benefícios da portabilidade.
  • Apesar disso, o órgão alerta que o consumidor jamais deve solicitar o cancelamento para a operadora da qual deseja sair para depois contatar a nova empresa. Caso contrário, corre o risco de ficar sem a linha.
  • O correto é o cliente que deseja mudar de operadora comunicar apenas a nova empresa com a qual terá a nova prestação de serviço.

  • Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.