TIM leva celular para o fixo

Marcelo Moreira

11 de setembro de 2008 | 22h46

FÁBIO LEITE – JORNAL DA TARDE

De olho na forte concorrência que a portabilidade numérica – serviço que permite trocar de operadora mantendo o mesmo número – pode provocar no mercado, a TIM anunciou ontem a entrada na telefonia fixa.

A partir de hoje, qualquer usuário, cliente ou não da operadora, pode comprar um pacote de R$ 250 minutos por R$ 29,90 em ligações locais de fixo para fixo. O TIM Fixo será vendido nas 300 cidades brasileiras onde chega a cobertura da empresa, incluindo as principais regiões metropolitanas.

A grande diferença para a telefonia fixa tradicional, como da Telefônica, é que base de transmissão é a mesma que a do celular – tecnologia GSM –, ou seja, não tem fio. Para contratar o serviço, o usuário precisará comprar um aparelho de telefonia fixa com chip, que custa R$ 69. O único modelo disponível é da Motorola, mas a operadora negocia com outros fabricantes.

“O TIM fixo tem como foco as famílias. É uma alternativa muito competitiva por ser um serviço mais econômico, conveniente e com serviços da telefonia móvel, como identificador de chamadas, sem custo adicional”, explica o diretor territorial da TIM São Paulo, Carlos Cupo. Dentre as vantagens, ele cita que não há cobrança de taxa de instalação e habilitação.

Segundo ele, o produto estava sendo elaborado havia dois anos, quando a empresa conseguiu a licença para operar com telefonia fixa junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A propaganda na mídia começa amanhã.

Os prefixos do TIM fixo vão começar com 41. De acordo com a operadora, que tem 34,2 milhões de assinantes na telefonia móvel no País, há um mercado em potencial de 18 milhões de domicílios no País que não têm telefone fixo instalado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.