Telefonia fixa lidera ranking semestral de reclamações do Procon

Marcelo Moreira

26 de agosto de 2008 | 21h33

ELENI TRINDADE – JORNAL DA TARDE

A telefonia fixa continua sendo o pesadelo de muitos consumidores de São Paulo: no primeiro semestre deste ano o setor foi o mais reclamado no Procon-SP com 3.268 queixas que variaram entre cobranças indevidas ou em duplicidade e descumprimento de oferta, entre outras.

“Tem chamado a nossa atenção o descumprimento de promessas feitas pelas empresas, ou seja, o consumidor contrata três serviços e um ou dois deles acabam não sendo entregues”, diz Evandro Zuliani, diretor de Atendimento do órgão.

Foi o que aconteceu com Roberto dos Santos. Ele contratou o Trio Telefônica após ouvir promessas como aumento de velocidade da internet, TV por assinatura com pacote completo e ponto adicional. “Mas não foi o que aconteceu. Demoraram a instalar o ponto adicional, a internet teve problemas e cobraram valor diferente do combinado”. Santos recorreu à coluna Advogado de Defesa e a Telefônica respondeu que a situação foi regularizada sem prejuízo para o cliente.

Nos últimos anos, a telefonia fixa é presença constante no topo do ranking anual do Procon. De 1999 a 2002, os rankings anuais de empresas foram encabeçados pela Telefônica.

Em 2003 foi a Embratel que liderou. Em 2004 o Procon mudou critérios de avaliação e a primeiro colocação foi ocupada por um clube de lazer. A Telefônica voltou a liderar em 2005. A mais reclamada de 2006 foi a Claro e, nos últimos dois rankings, divulgados em 2007 e em março deste ano, a Telefônica voltou a ser a primeira.

O segundo setor mais reclamado é o de aparelhos celulares, com 1.902 queixas. “A maior parte dos casos é de aparelhos novos com defeitos e muitos consumidores têm conseguido fazer acordo”, diz Zuliani, do Procon.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tem um cronograma de fiscalização das empresas do setor para corrigir problemas. Segundo a assessoria de imprensa da agência, quando constatadas irregularidades, as empresas são notificadas a cumprir sua obrigação e podem até ser multadas.


Roberto teve vários problemas após contratar pacote de serviços (FOTO: FILIPE ARAUJO/AE)

O terceiro setor que mais gerou queixas no primeiro semestre foi o de cartões de crédito e de lojas, com 1.704 queixas registradas. “Com o aumento da oferta de crédito, aumentam os cartões em circulação e o número de pessoas endividadas, além de fraudes”, destaca o diretor do Procon.

O Banco Central (BC) fiscaliza os cartões de crédito emitidos por bancos, portanto, quando o consumidor tiver problemas deve fazer denúncias ao órgão.

Segundo a assessoria de imprensa do BC, são registradas poucas queixas sobre cartões de crédito. Em julho foram 51, a maioria delas sobre cartões enviados sem solicitação ou dificuldade para cancelar cartões.

O BC informa que, em caso de problemas com cartões emitidos por lojas e outros estabelecimentos, o consumidor tem de recorrer aos Procons ou à Justiça.

Os mais reclamados de janeiro a junho de 2008

  • 1ª – TELEFONIA FIXA – 3.268 reclamações

  • 2ª APARELHOS CELULARES – 1.902 reclamações

  • 3ª CARTÕES DE CRÉDITO – 1.704 reclamações

  • No total, o Procon de São Paulo registrou 17.335 reclamações Os consumidores que se sentirem lesados devem denunciar as empresas

  • Telefones

  • Anatel – 0800-33-2001

    BC – 0800-979-2345

    Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.