Telefonia: empresas dizem investir para melhorar serviço

Marcelo Moreira

28 de maio de 2012 | 16h32

Luciele Velluto

As empresas de telefonia fixa, móvel e internet afirmam que fazem investimento constante no setor de atendimento e que isso tem resultado em um número menor de reclamações e chamadas.

A Telefonica/Vivo afirma que mantém esforços e investimentos contínuos para aprimorar a qualidade dos serviços prestados e a atenção ao cliente e que reduziu pela metade as chamadas no call center, de 6 milhões em 2009 para 3 milhões por ano em 2011.

A Embratel respondeu que está atendendo no prazo praticamente a totalidade das demandas recebidas e continua trabalhando para a melhoria contínua de seus serviços. A NET, que oferece o serviço da Embratel, também afirma que faz investimentos constantes no canal de atendimento em tecnologia e treinamento de seus funcionários.

A operadora de telefonia TIM explica que investe em mais de um canal de atendimento ao seus clientes, que trabalha no treinamento do seus consultores e que cumpre 100% da metas de qualidade da Anatel.

Também com investimentos em mais de um canal de atendimento ao consumidor, como nas redes socais, a Claro diz que busca o constante aprimoramento da qualidade de seu serviços e se coloca a disposição para atender as demandas dos clientes.

Outra que afirma ter reduzido as reclamações é a Oi. A empresa diz que investimentos para se adequar e cumprir as a lei do SAC e que assumiu o compromisso com o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) para melhorar o atendimento. O resultado é que entre os anos de 2010 e 2011, a operadora registrou queda de 15,7% nos atendimentos nos Procons de todo o País.

No entanto, apesar de todo o investimento realizado pelas empresas, o diretor executivo do Procon-SP, Paulo Arthur Góes, afirma que as empresas de telecomunicação no Estado de São Paulo são as que apresentam as propostas mais baixas de redução das reclamações à entidade.

Tudo o que sabemos sobre:

Anatelcelulartelefonia fixa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.