Telefonia é a maior queixa dos leitores do JT

Marcelo Moreira

11 de março de 2009 | 21h49

Mudou o ano, mas os problemas da maioria dos leitores da coluna Advogado de Defesa continuam parecidos: entre os cinco primeiros colocados no levantamento, quatro são empresas de telefonia fixa ou celular.

A Telefônica encabeça a lista com 53 cartas de reclamação. Em segundo lugar vem a Net com 21 cartas. Na sequência, em terceiro e quarto lugares respectivamente, vêm duas empresas de telefonia móvel: TIM (17 cartas) e Claro (15 cartas).

E em quinto lugar está a Vivo, com 12 cartas, dividindo a posição com as empresas Fiat e Samsung, que também tiveram 12 cartas cada uma.

Os dados são referentes ao período de 21 de dezembro de 2008 a 20 de janeiro deste ano e todas as empresas de telefonia citadas responderam no prazo.

Os dados da coluna do JT refletem as queixas dos consumidores Brasil afora, uma vez que no banco de dados do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça – composto por dados de Procons de todo o País – o setor também é um dos mais reclamados.

As principais queixas dos clientes das empresas de telefonia são sobre problemas com contratos, falhas na prestação de serviços e no atendimento, cobrança indevida, dificuldade para cancelar linha, problemas com serviços de internet e erro na cobrança ou dificuldade para entender valor cobrado nas faturas.

Há, porém, empresas que recebem poucas reclamações de consumidores e, mesmo assim, não respondem nenhuma das cartas enviadas no período, deixando os consumidores a ver navios. É o caso de Ford (4 cartas), Gol (3), Saraiva (4) e Wal-Mart (7).

A GM deixou de responder 45% das 11 cartas recebidas e a Nokia deixou sem resposta 43% das 7 reclamações enviadas por clientes da marca.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.