Telefonia celular: metas mensais para expandir a rede

Marcelo Moreira

20 de julho de 2012 | 12h15

EDUARDO RODRIGUES

 As seis principais empresas de telefonia e internet móvel do País terão de cumprir metas mensais de aumento de capacidade de rede e de atendimento dos usuários nos call centers, pelo menos nos próximos dois anos.

Três delas – TIM, Claro e Oi – já foram proibidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de vender novas linhas a partir de segunda-feira, e novas sanções poderão ser aplicadas às companhias que não atenderem as exigências da agência reguladora do setor.

Segundo o superintendente de serviços privados da Anatel, Bruno Ramos, além das três empresas já punidas, Vivo, CTBC e Sercomtel também terão que cumprir as metas. “Cada empresa está hoje em um patamar e por isso as metas para cada uma serão diferenciadas. A Anatel irá acompanhar o cumprimento das metas mensalmente e poderá determinar nova suspensão se os patamares não forem atingidos.”

Todas as companhias têm até 30 dias para apresentar seus planos de investimentos e melhorias ao órgão regulador. “Temos um grupo de engenheiros que irá analisar as propostas. Saberemos dizer se o plano é de papel ou se será mesmo implementado”, alertou o superintendente.

Além da resolução mais rápida e efetiva das reclamações feitas pelos usuários, as companhias terão de se comprometer a aumentar as taxas de completamento e manutenção das chamadas, além de melhorar a velocidade entregue nos planos de internet.

A cada mês, a Anatel irá monitorar se houve evolução da qualidade do serviço e se o ritmo dessa melhoria foi o adequado em relação à expansão da base de clientes de cada empresa.

Desculpas

Antes mesmo da suspensão de vendas para TIM, Claro e Oi entrar em vigor, as companhias já procuraram a Anatel para começar a montar propostas que possam convencer o órgão a derrubar a proibição determinada anteontem. Após encontro com o superintende do órgão, o presidente da Claro, Carlos Zenteno, chegou a pedir desculpas aos usuários.

“Eu queria pedir desculpas aos nossos clientes. A Claro está trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível. Estamos priorizando a entrega das informações exigidas pela Anatel para voltarmos à normalidade em menos de 30 dias.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.