Telefonia celular: acabou a concorrência

crespoangela

18 de julho de 2006 | 00h36

Coluna de Josué Rios, publicada em 18/7/2006

O sr. Furtado, o Consumidor, comprou celular novo para ele, a mulher e a filha. E a empresa de telefonia vendeu os aparelhos por preços aparentemente baratos, mas impôs uma condição: a família Furtado, em troca do “benefício”, teve de vender para a concessionária aquilo que não se vende, a saber: a liberdade de escolha no jogo da competição empresarial.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: