Supermercado é responsável por furto de veículo em estacionamento

Marcelo Moreira

28 de dezembro de 2009 | 22h18

Está mais do que provado e julgado: furto de veículos em estacionamentos de shoppings e supermercados têm de ser ressarcidos pelos estabelecimentos. Entretanto, alguns ainda insistem em ignorar ou desobedecer a lei. Ou, pelo menos, postergar ao máximo a solução do caso. É o caso do Walmart, segundo o relato da leitora Alessandra de Jesus Almeida e Silva, de São Paulo:

” Minha moto foi roubada no estacionamento do Maxxi Supermercado, em outubro deste ano. Conforme foi pedido pelo estabelecimento, entreguei o Boletim de Ocorrência e a minha documentação no mercado.

Durante dias, passei no local, mas sempre me respondiam que eu precisava aguardar. Passei a ligar no 0800 e diziam que o caso estava em análise e seria preciso aguardar 30 dias. Depois, me informaram que eu precisava aguardar até 60 dias. Liguei no Departamento Jurídico e me informaram que, por falta de evidências, o parecer era negativo.

Então pedi uma resposta por escrito, porém, ela me informaram que esses documentos são confidenciais. Entrei em contato com o Juizado Especial Cível e fui informada de que, para abrir um processo, eu preciso de algum documento do mercado. Quero saber qual atitude devo tomar.”

RESPOSTA DO WALMART: Em resposta à senhora Alessandra de Jesus Almeida e Silva, o Walmart, dono da marca Maxxi, esclarece que entrou em contato com o cliente, informando-lhe que as análises foram realizadas e a mesma está ciente sobre os processos para a solução do caso. A Central de Relacionamento está à disposição através do telefone gratuito 0800 705 5050, pelo e-mail walmartevoce@wal-mart.com, de segunda à domingo, entre 8h e 22h.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: A consumidora informou que está esperando o prazo para ser ressarcida.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: Não há dúvida a respeito da obrigação do supermercado em ressarcir o consumidor que tem o seu veículo furtado ou roubado no interior do estacionamento oferecido pelo estabelecimento comercial, que, aliás, o usa como forma de atrair o cliente.

Caso o assunto não seja resolvido de forma amigável, a consumidora dever recorrer à Justiça e, além do valor atualizado da moto, deve exigir também indenização por dano moral, em razão do desgaste sofrido com a perda do seu bem, mais a falta da devida e pronta orientação do Walmart quanto ao ressarcimento do prejuízo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.