Seguro-saúde. Não se atrevam

crespoangela

19 de abril de 2006 | 14h33

Coluna de Josué Rios, publicada em 18/4/2006

Na última coluna, informei que os seguros de vida andam sendo cancelados
injustamente pelas seguradoras. E pior: a maioria dos juízes e tribunais vem
concordando com o procedimento.

Pois bem. Como a Justiça costuma “dar uma no cravo outra na ferradura”, como
diz o ditado, hoje, ainda no tema sobre cancelamento de contrato, trago uma
boa notícia. Qual? Quando o contrato com uma seguradora se refere não a um
seguro de vida, mas a um seguro-saúde (ou plano de saúde, no caso das
operadoras desse produto), a atitude da Justiça é completamente diferente.
Como? Explico: segundo os tribunais, se o contrato for de seguro de vida, a
seguradora não está obrigada a renová-lo na data do vencimento – mas, se o
contrato for de seguro-saúde, as seguradores estão impedidas de cancelar a
prestação do serviço, ou seja, o contrato continua por prazo indeterminado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.