Seguro: informação é vital

Marcelo Moreira

11 de julho de 2011 | 18h26

Saulo Luz

Independente da origem, é importante tomar alguns cuidados na hora de escolher o seguro do veículo. “Para começar, é importante ver se essa empresa ou associação realmente existe (conferindo endereço, CNPJ e telefone). Se não tiver essas informações, o consumidor não vai conseguir nem mesmo acionar a Justiça contra elas”, diz Úrsula Goulart, advogada especialista em seguros do escritório Chalfin, Goldberg e Vainboim Advogados Associados.

Para fugir dos seguros piratas, basta conferir se o corretor e a seguradora têm registro na Susep – pelo telefone 0800-218484 ou pelo site www.susep.gov.br/menuatendimento/procura.asp. “Se não estiver lá, esqueça”, diz Renata Reis, técnica do Procon-SP.

E os cuidados não param por aí. “O consumidor deve pesquisar cobertura oferecida, o valor, checar se tem muitas reclamações no Procon, ler a apólice e esclarecer todas as dúvidas, antes de assinar o contrato. Preencher com dados verídicos o perfil do segurado, que deve conter somente perguntas objetivas”, diz Mariana Ferreira Alves, advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

Caso o cliente de alguma cooperativa de proteção automotiva se sinta lesado, a saída é acionar o Procon-SP, a Justiça e sempre denunciar o caso à Susep (no mesmo telefone ou pelo site www.susep.gov.br, link “Fale conosco”). Se for o caso, o órgão abre um processo e encaminha a denúncia para o Ministério Público.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.