SAC tem de ser mais eficiente e resolver as questões

Marcelo Moreira

06 de setembro de 2011 | 12h02

Carolina Marceino

Especialistas em defesa do consumidor dizem que os problemas dos consumidores não precisariam chegar até a ouvidoria caso as centrais de atendimento prestassem um serviço eficiente logo no primeiro contato.

Os funcionários do SAC são mal preparados. “A culpa nem é deles, é a empresa que não fornece um treinamento adequado”, diz o advogado especialista em defesa do consumidor e consultor do JT, Josué Rios.

A advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Veridiana Alimonti explica que não basta as empresas oferecerem canais de atendimento, se não há uma estrutura.

Essa também é a opinião do presidente da Associação Brasileira do Consumidor (ABC) Marcelo Segredo. “O consumidor não pode receber um atendimento mecanizado e decorado. O atendente tem de saber do que está falando”, afirmou Segredo.

“Um SAC e uma ouvidoria eficientes fidelizam o cliente. É preciso apostar nisso para não acabar com um processo na Justiça”, afirmou o advogado Jean Carlos de Albuquerque Gomes.

Mais conteúdo sobre:

ABCIdecouvidoriaProcon