Ranking das aéreas ainda não embalou

Marcelo Moreira

20 de janeiro de 2010 | 22h55

Apesar do aumento nos acessos, cadastro que avalia empresas do setor é pouco acessado

SAULO LUZ – JORNAL DA TARDE

O Ranking Popular da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) começa 2010 ainda pouco conhecido, apesar do aumento de cadastros. Criado em maio de 2009, o cadastro permite que os passageiros avaliem a qualidade das Companhias aéreas.

A ferramenta encerrou 2009 com 2,143 mil passageiros cadastrados e 3,2 mil avaliações sobre as empresas aéreas nacionais e estrangeiras.

Enquanto isso, segundo o Anuário do Transporte Aéreo 2008 da Anac (o balanço de 2009 não está pronto), o total de passageiros embarcados nos aeroportos brasileiros naquele ano somou 54.938.399 (quase 55 milhões de pessoas).

Frequente passageiro de viagens aéreas, o engenheiro Marcelo Braga, 41, desconhecia o ranking e acredita que a ferramenta pode ter maior influência quando se tornar mais conhecida. “Hoje só temos duas grandes empresas nacionais e, como não temos muitas opções, reclamar do serviço não adianta muito. Mas acredito piamente que um dia vamos melhorar a situação do mercado aéreo brasileiro”, diz.

Segundo Paulo Henrique de Noronha, chefe da assessoria de comunicação da Anac, o número de acessos ainda é pequeno comparado ao potencial, mas está evoluindo a cada dia. “No ano passado, a média de novos passageiros cadastrados era de três ou quatro por dia. Neste início de ano, essa marca saltou para cerca de 20 novos cadastros por dia.”

De acordo com os últimos dados – 8 de janeiro – já eram 2.278 passageiros cadastrados e 3.444 avaliações no total. O mecanismo do ranking é bem simples e funciona com médias aritméticas.

Pela internet (www.www.anac.gov.br/passageiro), o usuário dá notas de 0 a 10 para 11 serviços das companhias aéreas, como: atendimento (a necessidades especiais, de reclamações, na sala de embarque, venda de passagem, no check-in e pela internet), conforto da aeronave, cuidados com a bagagem, pontualidade, relação custo-benefício e serviço de bordo. As notas dos usuários são computadas automaticamente.

O passageiro não precisa avaliar todas as empresas e também pode avaliar apenas alguns dos 11 itens. “Não é necessário dar nota em todas as opções. E, para visualizar o resultado, também possibilita até ranquear as empresas de acordo com cada requisito avaliado”, completa Noronha.

Além disso, é possível alterar suas notas a qualquer momento, caso mude a impressão sobre determinada empresa. “O passageiro pode atualizar as notas após desembarcar de uma viagem. Se você olhar agora e daqui a duas horas, vai encontrá-lo já um pouco diferente. O ranking é um indicador dinâmico para o cliente avaliar as empresas”, diz Noronha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.