Racionamento também criou mau hábito

crespoangela

17 de abril de 2006 | 17h56

Texto de Aiana Freitas

O racionamento de energia elétrica, realizado entre 2001 e 2002 no País, foi
responsável por reações positivas e negativas na população. Por um lado,
muita gente passou a ter consciência da necessidade de se economizar energia
elétrica; por outro, houve quem visse na restrição de uso uma justificativa
para fraudar o sistema de fornecimento.

“Desde o racionamento, notamos um aumento na incidência de procedimentos
irregulares”, lamenta o gerente de relações comerciais da Elektro, Marcos
Braun. O raciocínio usado pelos fraudadores passou a ser um só: como quem
não cumprisse as metas de consumo determinadas teriam de pagar multa, a
saída para isso seria avariar os relógios de medição de energia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.