Quem tem motivos para comemorar o Dia Mundial do Consumidor?

Marcelo Moreira

14 de março de 2009 | 21h01

JOSUÉ RIOS – COLUNISTA DO JORNAL DA TARDE

A lista do Procon divulgada ontem apresenta mais uma vez a Telefônica e empresas do setor como campeãs de queixas dos consumidoras, e a mesma lista expõe os bancos como os fornecedores que menos respondem as reclamações dos clientes.

A pergunta é: órgãos como o Procon, o Banco Central, que deve fiscalizar os bancos e a Anatel, que responde pela telefonia, estarão à vontade para comemorar o Dia Mundial do Consumidor? Claro que não.

E quem ler as reclamações dos consumidores divulgadas nos jornais observa que os fornecedores cada vez mais têm relaxado quanto à qualidade de produtos e serviços, e, principalmente, no que diz respeito à solução rápida do reparo das “bombas” que vendem.

Quem tem moral para de fato comemorar o Dia do Consumidor? A resposta é: o grande herói em sua luta tenaz, o próprio consumidor. Com o Código do Consumidor na mão, mesmo sem decorar os seus artigos, briga no balcão da loja, da padaria e do supermercado, exigindo respeito e explicações para o que considera errado.

Também a imprensa tem bons motivos para ressaltar e comemorar o Dia do Consumidor, porque desde a aprovação do Código criou seções só para receber reclamações contra os fornecedores. Temos a comemorar também a atuação dos Juizados Cíveis (pequenas causas) e muitos magistrados da Justiça comum, que se tornaram protetores dos direitos do consumidor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.