Procon-SP: variação em preço de remédio chega a 421%

Marcelo Moreira

25 de março de 2010 | 15h57

DA AGÊNCIA ESTADO

A diferença de preços entre remédios genéricos em farmácias da cidade de São Paulo chega a 421,16%, alerta estudo da Fundação Procon (Procon-SP) divulgado hoje. Isso significa que o cliente pode pagar quatro vezes mais caro em um estabelecimento do que em outro pelo mesmo produto. Os preços de medicamentos de referência diferem até 123,46%. O levantamento envolveu 15 drogarias das cinco regiões da capital e 99 medicamentos.

Os exemplos mais expressivos de disparidade são as caixas com 20 comprimidos do genérico Diclofenato Sódico, usado para doenças reumáticas crônicas, e do medicamento de referência Valium (Diazepam), tranquilizante da Roche. O Diclofenato Sódico custa de R$ 1,89 a R$ 9,85 – diferença de R$ 7,96 ou 421,16%. O Valium custa de R$ 4,05 a R$ 9,05 – diferença de R$ 5 ou 123,46%.

A maior quantidade de produtos com menor preço (41 dos 80 encontrados) foi constatada na Drogaria Pacheco, na zona norte. Os medicamentos têm um preço máximo ao consumidor definido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As farmácias podem praticar qualquer preço, desde que não ultrapassem o preço máximo.

Mais conteúdo sobre:

Proconremédiosvariação