Procon-SP multa 20 empresas por falhas no atendimento

Marcelo Moreira

30 de julho de 2009 | 16h31

DA AGÊNCIA ESTADO

O Procon-SP de São Paulo divulgou nesta quinta-feira, 30, que aplicou multa em 20 empresas que não cumpriram as novas regras do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

As 22 multas aplicadas totalizaram o valor de mais de 10 milhões de reais. As operadoras de celular Vivo e Claro receberam as maiores sanções: 3,2 milhões de reais cada.

As empresas de telefonia fixa e móvel foram as líderes na reclamações junto ao Procon-SP, sendo responsáveis por 3570 das 5419 denúncias registradas por consumidores no site do Procon-SP (www.procon.sp.gov.br) de 1 de dezembro do ano passado a 28 de julho.

Empresas de TV por assinatura e cartão de crédito também se apresentaram como ineficientes no atendimento ao consumidor, com 452 e 409 denúncias, respectivamente.

“Não adianta aumentar a capacidade de venda, se não aperfeiçoar na mesma medida a capacidade de sanar as demandas dos consumidores. O decreto do SAC define parâmetros mínimos de qualidade de atendimento e a Fundação Procon-SP vai continuar fiscalizando para punir aqueles que não se adequarem”, disse Roberto Pfeiffer, diretor-executivo do Procon-SP.

Segundo o Procon, as principais causas de reclamação feitas pelos consumidores foram: a empresa não resolveu o problema no prazo de 5 dias; a espera para ser atendido superou 1 minuto; consumidor teve que relatar o problema mais de uma vez; a ligação foi interrompida; e telefone inacessível.

Além das 20 empresas multadas, o Procon-SP abriu outros 54 processos administrativos que continuam em andamento. As multas variam de acordo com a gravidade e quantidade de infrações cometidas e a condição econômica do infrator, ficando entre R$ 212,82 e R$ 3.192.300,00.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.