Procon investiga anúncio da Nokia

Marcelo Moreira

25 de julho de 2012 | 07h55

FLAVIA ALEMI

 O vídeo viral “Perdi meu amor na balada”, campanha publicitária da Nokia, está rendendo à empresa uma investigação do Procon de São Paulo. Para o órgão, a campanha pode ter violado o artigo 36 do Código de Defesa do Consumidor, o qual afirma que as propagandas devem ser veiculadas de forma que o consumidor consiga identificá-las facilmente como peça publicitária. A Nokia poderá ser multada em R$ 6,5 milhões.

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) também notificou a empresa e enquadrou-a no artigo 9º do Código de Autorregulamentação Publicitária, de teor semelhante ao CDC. Ambas as entidades aguardam resposta da Nokia.

Para o diretor executivo do Procon-SP, Paulo Arthur Góes, o Código de Defesa do Consumidor é claro e, segundo ele, a Nokia “abusou da confiança do consumidor”.

A propaganda da empresa se encaixa na categoria de teaser, técnica usada para aumentar o interesse do público usando informações enigmáticas no começo da campanha. Góes ressalta que a estratégia do teaser não é vetada, mas deve respeitar a lei de defesa do consumidor e os princípios de transparência.

O Jornal da Tarde entrou em contato com a assessoria de imprensa da Nokia, mas a companhia respondeu que não tem posição oficial sobre o caso nem previsão de se pronunciar.

O vídeo “Perdi meu amor na balada” foi publicado no Youtube no dia 10 e logo virou sucesso de compartilhamentos nas redes sociais. Nele, Daniel Alcantara, o suposto apaixonado, relata que conheceu uma jovem numa balada, chamada Fernanda, e que foi amor à primeira vista.

Ela teria anotado seu telefone num pedaço de papel, mas Alcantara o perdeu e decidiu fazer um vídeo para tentar encontrá-la. O filme dá a entender que o vídeo é amador, o que contribuiu para dar respaldo a Alcantara.

Após o primeiro vídeo, foi criada uma página no Facebook com um retrato falado da Fernanda. Alguns usuários da rede social começaram a cogitar que o filme era, na verdade, uma propaganda de um site de encontros, que logo desmentiu o vínculo com a peça.

Um segundo vídeo, publicado três dias depois do primeiro, mostrava Daniel Alcantara com um buquê de flores na mão em frente ao suposto local de trabalho de Fernanda, mas não havia ninguém com esse nome trabalhando naquela empresa.

Somente no dia 17, uma semana depois do primeiro vídeo, a Nokia esclareceu o caso. Num terceiro filme, dessa vez nitidamente profissional, Alcantara encontra Fernanda graças à qualidade da imagem do smartphone 808 Pureview, lançamento da Nokia, que um frequentador da mesma balada possuía. Ele teria registrado o momento da entrega do bilhete com a câmera de 41 megapixels do aparelho.

Tudo o que sabemos sobre:

NokiaProcon

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.