Preço de genérico varia até 421,16%, diz Procon

Marcelo Moreira

25 de março de 2010 | 22h59

CAROLINA DALL’OLIO – JORNAL DA TARDE

Uma pesquisa realizada pelo Procon-SP em farmácias da capital mostrou [/IP8,0,0]que os preços dos medicamentos não variam apenas quando a comparação é feita entre genéricos e marcas de referência. Mesmo entre remédios com marca de uma mesma categoria, a discrepância de valores chama a atenção.

Os genéricos apresentaram, entre si, as maiores diferenças de preço da pesquisa. O campeão foi o medicamento Dicoflenaco Sódico, que apresentou variação de 421,16% .

“No caso dos genéricos, as variações de preço são maiores porque são medicamentos produzidos por diferentes laboratórios e que têm em comum apenas o princípio ativo”, afirma Valéria Rodrigues, diretora de estudos e pesquisas do Procon-SP. “No caso do medicamento de referência, o laboratório é o mesmo. Ou seja, ele sai da fábrica, em tese, com o mesmo preço e as variações ficam por conta da política de cada farmácia.”

O medicamento de referência que registrou maior diferença de preço entre as farmácias pesquisadas foi o Valium (Diazepam), do laboratório Roche, com variação de 123,46% no valor de venda.

A pesquisa mostra que os genéricos continuam mais baratos que os medicamentos de referência. “Mas não foi nossa intenção comparar os preços de um e outro, mas sim na mesma categoria, porque entendemos que o consumidor pode optar ou não pelo genérico e o melhor seria comparar coisas iguais”, explica Valéria.

Mas, para a diretora, a principal conclusão do levantamento é que, além de pesquisar, o consumidor também deve pechinchar. Visitar diferentes farmácias em busca do menor preço é uma estratégia interessante para conseguir economizar.

“Porém, outro modo de conseguir um resultado semelhante é pedir desconto na hora compra”, conta Valéria. “A maior parte das lojas oferece alguma redução no preço mediante simples cadastro do cliente”, diz.

A diretora do Procon destaca que o consumidor deve se basear pelos preços médios da pesquisa e verificar quais são as regiões que possuem as melhores ofertas. De acordo com o levantamento do órgão, a zona norte da cidade concentra as farmácias mais baratas e a zona sul, as mais caras.

Mais conteúdo sobre:

genéricosProconremédios