Plano individual: queixas sobem e usuários diminuem

Marcelo Moreira

05 de dezembro de 2011 | 16h47

Saulo Luz

Enquanto o número de usuários de convênios médicos individuais em São Paulo caiu 2,8% (redução de 3,6 milhões em junho de 2010 para cerca de 3,5 milhões em junho de 2011), o número de reclamações contra planos individuais no Procon paulista cresceu 9% no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2010.

De acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o número de beneficiários de planos individuais vêm caindo em todo o País e não só no Estado. Por outro lado, as reclamações contra os convênios no Procon-SP (que não atende clientes de planos coletivos) aumentaram de 6.085 para 6.631.

Nos casos de reclamações sobre problemas no contrato, como não abrangência, não cobertura ou reembolso, o total de queixas saltou de 2.172 para 2.739 – aumento de 26%.

De acordo com Selma do Amaral, diretora de atendimento do Procon-SP, a principal causa do aumento foi a falência e venda de planos grandes. “Sentimos o reflexos de carteiras que entram em liquidação e foram repassadas para outras empresas. Foi o caso da Serma e Samcil, que passaram para Greenline”, afirma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.