Paulistano desconhece juros que paga

Marcelo Moreira

27 de agosto de 2008 | 22h49

FABRÍCIO DE CASTRO E CAROLINA DALL’OLIO – JORNAL DA TARDE

Na hora das compras, o paulistano faz dívidas, mas não sabe o quanto paga de juros, não lê os contratos antes de assinar e nem busca orientação.

Essas são algumas das conclusões da pesquisa de Consumo Consciente e Endividamento do Paulistano, feita em agosto pela Toledo & Associados e divulgada ontem pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

De acordo com o levantamento, 70% dos paulistanos que parcelaram aquisições nos últimos meses não sabem o quanto pagam de juros. Entre quem conhece as tarifas cobradas, apenas 35% leram detalhadamente os contratos de financiamento.

“A maioria das pessoas não conhece os juros que está pagando”, resume o economista Emílio Alfieri, da ACSP. “A pessoa, geralmente, olha apenas para o valor da prestação que vai pagar.”

Esse hábito, segundo Alfieri, pode levar o consumidor à inadimplência. Foi isso o que aconteceu com o oficial de Justiça Adolfo Galvão, de 62 anos. Seduzido pelos financiamentos, ele acumulou mais contas que dinheiro no bolso. “Comprei a prazo o material de construção para reformar minha casa e fiz umas dívidas no cartão de crédito”, conta Galvão. “Mas não consegui pagar todas as parcelas em dia.”


Adolfo Galvão não se preocupa com juros. “Vou ter de pagar de qualquer maneira” (FOTO: ERNESTO RODRIGUES/AE)

Outro problema identificado pela pesquisa é o desconhecimento das cláusulas do contrato de compra. “O consumidor não está informado e, aparentemente, não está interessado em se informar”, afirma Alfieri, da ACSP.

Para piorar, 59% dos paulistanos que financiaram aquisições recentemente e que sabem o quanto pagam de juros não leram detalhadamente o contrato. Outros 6% nem assinaram um contrato.

“Infelizmente, as pessoas não têm a noção dos juros, nem sabem como calculá-los”, afirma o consultor financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro Terapia Financeira. “Os consumidores nem têm o hábito básico de multiplicar o valor pelo número das parcelas para descobrir o total que pagarão.”

Na opinião de Domingos, falta educação financeira para a maior parte dos consumidores.

A dona de casa Patrícia Soares, de 28 anos, diz que já virou um hábito pagar a fatura do cartão de crédito com atraso. “Não sei quanto pago de juros, mas sei que são bem altos”, revela. “O problema é que nem sempre tenho dinheiro para pagar exatamente no dia. Então, acabo atrasando.”


Patrícia Soares não sabe quanto paga de juros, mas apenas que são altos (FOTO: ERNESTO RODRIGUES/AE)

O assistente social Pedro Tassi, de 22 anos, é uma exceção à regra. Antes de parcelar uma compra, ele costuma se informar sobre os juros. “Analiso tudo antes de comprar para ver se realmente vale a pena”, explica.

A pesquisa da ACSP revelou ainda que, na Capital, de cada 100 pessoas com mais de 18 anos, 15 estão com pelo menos uma conta atrasada. Entre os inadimplentes, 69% estão com as contas atrasadas há mais de 30 dias.
“Esses dados servem como um sinal de alerta para os paulistanos”, afirma Emílio Alfieri, da ACSP. “Como os juros subindo, a situação pode até piorar.”


Pedro Tassi diz que analisa os juros nas compras, mas que recorre a bancos para pagar financiamentos (FOTO: ERNESTO RODRIGUES/AE)

CUIDADOS PARA NÃO SE TORNAR INADIMPLENTE

  • Antes de assinar, leia atentamente o contrato de compra ou financiamento. Nele, são informadas as condições gerais da operação e os valores das taxas cobradas em caso de inadimplência

  • Informe-se sobre os juros cobrados e busque as melhores taxas. A parcela do financiamento pode caber em seu orçamento, mas os juros cobrados podem tornar a operação muito cara

  • Faça as contas antes de parcelar. Multiplique o valor mensal pelo número de parcelas para saber o quanto vai ser pago. Compare com o valor à vista e veja se vale à pena financiar

  • Na medida do possível, prefira prazos curtos, de poucos meses, e procure dar sempre uma entrada

  • Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.