Passaporte está mais caro

Emitir passaporte ficará mais caro. A Polícia Federal (PF) pretende aumentar o valor da taxa para emissão do documento em 20,77%, segundo informou o Ministério da Justiça. Hoje, o passaporte custa R$ 156. Com o aumento, passará para R$ 188,40

Marcelo Moreira

31 de outubro de 2010 | 08h19

do Jornal da Tarde

 Emitir passaporte ficará mais caro. A Polícia Federal (PF) pretende aumentar o valor da taxa para emissão do documento em 20,77%, segundo informou o Ministério da Justiça. Hoje, o passaporte custa R$ 156. Com o aumento, passará para R$ 188,40. A nova taxa, que será cobrada a partir de janeiro de 2011, repõe apenas a inflação do período de dezembro de 2006 a 2010, ainda de acordo com o Ministério.

Outra mudança nos passaportes está relacionada à segurança. A partir de dezembro, esses documentos terão um chip contra falsificações, segundo a PF. A tecnologia permitirá ampliar o armazenamento de dados e facilitar a leitura no controle migratório, mas segundo o Ministério, o custo da implantação da tecnologia não será repassado ao cidadão. 

A PF ampliou o horário de atendimento em São Paulo para expedição de passaportes, com o objetivo de aumentar o número de agendamentos na internet e recuperar parte do atraso causado pela pane no sistema informatizado ocorrida na semana passada. O novo horário de funcionamento na superintendência regional na Lapa, zona oeste, e no posto do Shopping Light, no  centro, começou no último dia 7 e deve permanecer por 30 dias, até 6 de novembro. 

Na Lapa,  o atendimento é das 7h às 21h durante a semana e das 8h às 13h30 aos sábados. No Shopping Light, durante a semana o horário é das 9h às 19h e aos sábados das 9h às 13h30.

Devem ser atendidas cerca de 900 pessoas a mais por semana, ou 3.600 usuários durante os 30 dias de horário ampliado, informou a PF. As vagas de atendimento na internet, segundo a PF, estão à disposição desde dia 7.

Tudo o que sabemos sobre:

passaportePolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.