Páscoa: ‘brinde’ encarece preço do ovo

Marcelo Moreira

01 de abril de 2010 | 21h30

 MARÍLIA ALMEIDA – JORNAL DA TARDE
 

O “brinde” que é oferecido no interior de ovos de Páscoa, quase sempre com motivos infantis, acrescenta até R$ 7,10 no preço final do produto. Essa é a conclusão de pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), em relação aos preços médios de 23 ovos em supermercados de São Paulo.

O levantamento constatou que a inclusão do brinde no ovo de Páscoa pode elevar em até 40% o preço médio de cada 100g de chocolate. Mas a diferença entre os preços de um ovo sem brinde e outro com brinde é maior se a comparação for feita entre os preços por unidade, sempre considerando cada 100g de chocolate.

Por exemplo, enquanto 100g de chocolate do ovo Alô Doçura nº 15 (sem brinde), da Garoto, saem por R$ 6,96, na média de todas as cotações, outras 100g de chocolate de um ovo Batom nº 15 (com helicóptero), também da Garoto, podem custar R$ 14,06, na média. Isto é, o ovo com brinde pode custar até 102% a mais que o outro sem o brinquedo.

Se considerados os preço mais baixos e mais altos encontrados para esses dois ovos nas redes de supermercados pesquisadas a diferença entre o ovo simples e aquele com brinde chega a 192,7%.

Além de o ovo com o brinde ser mais caro, ele é também mais leve. É o que acontece com os ovos da Nestlé Meninas Superpoderosas com brinde, que tem 180g e sai por R$ 17,90, e Classic sem brinde, que também sai por R$ 17,90, mas pesa 240g, ou seja, tem 60g a mais de chocolate.

Embora isso não seja informado, o custo adicional pode estar relacionado ao uso da licença de marca (personagem), analisa o Idec.

“Isso pode se caracterizar propaganda enganosa, pois a empresa vende o produto como se o brinquedo fosse gratuito, mas não é”, diz Karina Alfano, gerente de atendimento do Idec.

Outra conclusão do Idec é de que a numeração não é um indicativo seguro para o consumidor comparar preços, já que a variação de peso para um ovo da mesma marca e de mesma numeração pode ser grande.

“A faixa de peso deveria estar clara em cada numeração, mas hoje não há regulação para isso. O instituto pretende levantar a questão em órgãos reguladores, pois isso confunde o consumidor, apesar do peso estar discriminado no ovo”, diz Karina.

Geralmente, os brindes não são vendidos separadamente dos ovos. “Para preservar a opção do consumidor que quer adquirir apenas o ovo de chocolate e não induzir o consumo de um alimento para um público que não tem esse discernimento, o brinquedo também deveria ser oferecido separadamente do ovo. Esta situação é análoga à que ocorre com alguns kits infantis de fast foods, que hoje são obrigatoriamente vendidos separados”, diz Karina.

Como a numeração pouco ajuda e nem sempre o consumidor pode levar uma calculadora e fazer a conta do preço de cada 100g de chocolate, a dica do Idec é evitar ovos com brinde.

A pesquisa foi feita entre os dias 25 e 26 de março em cinco estabelecimentos das redes de supermercados Carrefour, Extra, Pão de Açúcar, Sonda e Walmart e considerou ovos de Páscoa das marcas Arcor, Garoto, Lacta, Nestlé e Village.

O objetivo foi pesquisar ovos nº 14 e 15 e de chocolate ao leite, sempre que possível. Para cada uma das marcas, o Idec colheu também o preço de pelo menos um ovo sem brinde.

Tudo o que sabemos sobre:

Idecovos de Pácoa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.