Páscoa: alerta contra brindes nos ovos

Marcelo Moreira

16 de março de 2011 | 08h41

Carolina Marcelino

Faltando pouco mais de um mês para a Páscoa, fabricantes e comerciantes já estão empenhados com as vendas dos ovos de chocolate, que só no Estado de São Paulo devem registrar aumento de 5% em relação ao ano passado, segundo previsões da Associação Paulista de Supermercados (Apas). Em 2010, 25 mil toneladas de chocolate foram vendidas nesta época.

Mas o consumidor deve ficar atento especialmente em relação aos brinquedos que vêm de brinde dentro ovos. São várias as questões que os clientes devem prestar atenção, como a qualidade dos brinquedos e a relação custo-benefício.

Segundo o diretor da qualidade do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem- SP), Valdir Volpe, na hora da compra é necessário fazer uma pequena conta. Para ele, o consumidor deve pagar pela qualidade e quantidade do chocolate e não só pela marca do fabricante. “Às vezes, o consumidor leva um ovo de 80 gramas por um preço maior do que o de um ovo mais pesado e tão bom quanto”, disse Volpe.

No caso dos brinquedos que vêm como atrativo em muitos ovos, o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) deve fixado na embalagem do item e não no pacote do ovo.

“O consumidor pode ficar confuso e achar que o chocolate é aprovado pelo Inmetro, o que não é verdade”, explicou o diretor. Como nesse caso, o cliente só confirmará a presença do selo ao abrir o ovo, caso ele não encontre o mesmo, o Ipem-SP deve ser avisado por meio do número 0800-0130522 para quem está na capital. A partir daí, o instituto vai apurar as informações e a empresa fabricante poderá até mesmo ser multada.

Segundo a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Mariana Alves, caso o consumidor constate qualquer irregularidade ou defeito no ovo, ele tem o direito de trocar o produto ou receber o ressarcimento do valor pago no ato da compra.

A advogada lembra ainda que a lei garante ao fornecedor, em regra, o prazo de 30 dias para sanar o defeito, salvo na hipótese de essencialidade do produto. Após esse período, o consumidor deve ter o problema solucionado de imediato.

Outro detalhe importante é o Selo Pró Amendoim, que consta na embalagem dos chocolates que são misturados com amendoins e derivados. Esse certificado garante a origem dos ingredientes. Além disso, é sempre bom verificar se o ovo está bem armazenado e conservado.

Chocolate mole, por exemplo, é um sinal de que ele não está em temperatura recomendada pelo fabricante. Se as condições não estiverem adequadas, é obrigação do cliente avisar o supermercado e a vigilância sanitária para evitar que tais mercadorias continuem à venda.

Mais conteúdo sobre:

InmetroPáscoaProcon