Para não amarelar seu sorriso

Marcelo Moreira

23 de janeiro de 2009 | 13h15

ELENI TRINDADE – JORNAL DA TARDE

Em apenas um ano as reclamações sobre clínicas que oferecem implantes e outros tratamentos dentários mais que triplicaram no Procon de São Paulo: 200 reclamações em 2008, ante 54 em 2007. “As principais queixas são mudanças no valor do orçamento durante o tratamento e dificuldade para reaver cheques”, explica Renata Molina, técnica do órgão.

“O aumento se deve ao investimento das clínicas em propagandas. Muitas desistências e tentativas de resgate de cheques acontecem porque só depois de assinar contrato os consumidores consultam um médico e descobrem que o tratamento não é recomendado.”

Antes de iniciar um tratamento dentário completo, o consumidor deve tomar cuidado para não ter prejuízo, uma vez que ele costuma ser caro e de longa duração. O ideal, portanto, é se planejar e pesquisar.

“O aumento de clínicas ajudou a divulgar mais o trabalho dos profissionais e a incorporar o parcelamento do valor do tratamento no dia a dia dos dentistas, mas, com tantas opções, é recomendável pedir referências a amigos e parentes ou em associações e entidades de classe e faculdades”, orienta Clarindo Mitiyoshi Yao, coordenador do curso de Especialização em Implantodontia Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD)– Regional Jardim Paulista.

“O consumidor não deve se sentir pressionado, pois fazer um orçamento não significa que ele está obrigado a iniciar o tratamento”, diz Renata Molina, do Procon.

É preciso exigir o máximo possível de informações, orienta ela. “O orçamento deve ser claro com todos os detalhes do serviço e também no contrato, caso o cliente decida contratar, e é preciso fazer uma avaliação médica completa para não começar a pagar o tratamento antes de saber se está apto a fazê-lo.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.