Pane do Speedy afeta 4 milhões de usuários

Marcelo Moreira

09 de abril de 2009 | 22h24

ELENI TRINDADE – JORNAL DA TARDE

Ataques de hackers. Essa é a explicação da Telefônica para as falhas de conexão do Speedy nos últimos dias que, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), atingiram cerca de 4 milhões de usuários do serviço.

Em nota, a Telefônica informou que “parte da sua infraestrutura de suporte ao acesso à internet tem sido alvo de ações deliberadas e de origem externa que acarretaram dificuldades de navegação”.

Segundo a empresa, o ataque é caracterizado pela criação artificial de um alto número de solicitações simultâneas aos servidores DNS – equipamentos que fazem a conversão dos nomes dos sites para endereços IP (numéricos) – , o que sobrecarrega o servidor com acessos legítimos (dos clientes) e artificiais (ataques).

A Anatel informou que está investigando as causas do problema, notificou a empresa e, caso comprovadas as responsabilidades, exigirá ressarcimento dos danos causados aos consumidores prejudicados pelas falhas.

Marcelo Zuffo, professor titular do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Escola Politécnica da USP, explica que essas “ações externas” degradam a qualidade dos serviços ou derrubam o servidor.

“Não gosto de culpar os hackers, mas são, de fato, ciberataques. Toda grande corporação está sujeita a esse tipo de situação e precisa estar preparada para evitá-la. Esse fato não exime a empresa de responsabilidade sobre os prejuízos causados aos clientes.” Para Zuffo, a solução para o problema é o investimento no aumento da capacidade dos servidores da empresa.

Para Fátima Lemos, assistente de direção do Procon-SP, a empresa é responsável pela prestação de serviços de qualidade e responde por eventuais danos causados aos clientes. “A empresa deveria ter feito o esclarecimento desde o início da semana quando surgiram as primeiras reclamações. Vamos aguardar a resposta à notificação que enviamos e, na segunda-feira, anunciaremos as medidas adequadas ao caso”.

A Telefônica informou que já enviou a resposta ao Procon.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.