Paciente tem de exigir reparação se a falta de atendimento agravar estado de saúde,

Marcelo Moreira

27 de abril de 2009 | 20h11

Fique atento aos procedimentos de autorização de consultas e cirurgias das operadoras de planos de saúde.

Se, por motivo de ordem administrativa ou burocrática, for retardado o atendimento ao conveniado, encontrando-se este sob a necessidade de cuidados médicos imediatos, o caso configura danos morais (maus-tratos e agravamento da enfermidade do consumidor), que devem ser reparados pelo convênio.

Isso mesmo se o plano de saúde oferecer a possibilidade de reembolso das despesas referentes à realização do exame.

Para não se deparar com imprevistos ao precisar usar o plano de saúde, tome cuidado na hora da contratação: certifique os prazos de carência, os hospitais e os laboratórios que integram a rede credenciada e se há atendimento 24 horas ou só em caso de emergência.

A informação é um dos direitos básicos do consumidor – artigo 6º do CDC. Quem contratar um plano e não for informado quanto às suas características e restrições, tem o direito de reclamar e exigir que o que fora ofertado seja cumprido.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.