O perigo escondido na paçoquinha

Marcelo Moreira

11 de outubro de 2008 | 00h15

SAULO LUZ – JORNAL DA TARDE

O perigo pode estar no amendoim. Esse é o alerta que está sendo feito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) aos consumidores de doces feitos com base no produto, como paçocas, por exemplo.

No final de setembro e no começo de outubro, a Anvisa interditou três lotes de diferentes empresas por ter encontrado em doces de amendoim teores de aflatoxina – substância produzida por fungos, relacionada com a incidência de câncer hepático em seres humanos – superiores aos permitidos pela legislação sanitária no produto.

Recentemente, o Ministério Público do Distrito Federal (Prodecon) instaurou inquérito civil público para investigar a produção de doces da empresa Comercial de Doces Mumu Ltda, após testes feitos a pedido da Abicab. Os testes Comprovaram a existência de aflatoxina os doces comercializados pela empresa.

“Os doces apresentavam quantidades da toxina mais de que dez vezes maiores do que o limite máximo tolerado”, conta Guilherme Fernandes, promotor da Justiça de Defesa do Consumidor do Distrito Federal.

O Prodecon solicitou, então, uma vistoria à Vigilância Sanitária do Distrito Federal (VISA-DF), que constatou que a fábrica não seguia algumas práticas se higiene, como utilização de luvas pelos funcionários e sabonete líquido para lavar as mãos.

A Vigilância Sanitária multou a empresa e o Prodecon instaurou o inquérito civil. “A empresa alega que parou de fabricar produtos de amendoim, mas isso não importa. Como ainda devem existir produtos no mercado, marcamos uma audiência no MP para o dia 24 de outubro”, afirma Guilherme. O objetivo é fazer termo para que a empresa forneça luvas, sabonete líquido para seus funcionários e um manual de boas práticas de higiene.

Selo Abicab

Atualmente, a melhor ferramenta que o consumidor tem para saber que o produto é seguro é o selo Pró-amendoim, da Abicab. “O selo é uma garantia para o consumidor de que o produto está seguro.Para a empresa consegui-lo, tem que passar por auditoria interna, cumprir toda legislação prevista para amendoim. Além disso, a cada dois meses, tem o produto coletado em todo o País para análise.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.