Nome sujo indevidamente rende indenização

Marcelo Moreira

14 de julho de 2011 | 16h40

A 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) condenou Avon Cosméticos a pagar R$ 15 mil de indenização a uma cliente. A autora teve seu nome inscrito nos órgãos de proteção ao crédito pela empresa, mas o débito se refere a uma compra em Salvador (BA), lugar onde ela nunca esteve.

Tudo o que sabemos sobre:

indenização

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.