Menos consumidores com o nome sujo

O cancelamento de registros de inadimplência de consumidores junto ao SPC Brasil cresceu 11,31% em agosto deste ano na comparação com o mesmo mês do ano passado, taxa de aumento recorde, segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas

Marcelo Moreira

10 de setembro de 2010 | 13h00

Leonardo Goy – Agência Estado

O cancelamento de registros de inadimplência de consumidores junto ao SPC Brasil cresceu 11,31% em agosto deste ano na comparação com o mesmo mês do ano passado, taxa de aumento recorde, segundo o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior.

O cancelamento de registro no SPC ocorre quando o devedor quita a dívida que causou a inclusão de seu nome do cadastro de inadimplentes.

“Essa é a maior taxa de crescimento para este índice em três anos, quando começamos a compilar esses dados”, disse Pellizzaro, acrescentando que o aumento desses cancelamentos de registros de inadimplência foi impulsionado pelo crescimento do emprego e da renda.

“Isso mostra o perfil do cidadão brasileiro, preocupado com o patrimônio que é seu nome”, avaliou o presidente da CNDL. Ele lembra que, neste ano, praticamente todas as convenções coletivas estão gerando aumentos reais de salário, o que faz com que os consumidores tenham mais dinheiro no bolso.

A redução na quantidade de cadastrados no SPC pode ter ainda um efeito positivo nas vendas do Natal deste ano. “Com esse processo de recuperação de crédito, o volume de pessoas que vão chegar no Natal aptas a usar crédito é maior. E isso deve gerar um crescimento nas vendas”, disse.

A CNDL informou ainda que a inadimplência, medida por novos registros no SPC, caiu 2,13% de julho para agosto mas subiu 3,73% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado. Esse aumento, porém, não preocupa a CNDL, pois reflete o próprio aumento nas vendas. “Como teve aumento das compras, aumenta a inadimplência. Isso está dentro da margem tolerada”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:

CNDLnome sujoSPCSPC Brasil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.