Mais problemas com artigos escolares

Marcelo Moreira

07 de julho de 2009 | 21h34

SAULO LUZ – JORNAL DA TARDE

O Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) faz um alerta: aumentou a quantidade de artigos escolares com problemas nas lojas paulistas.

A Operação Volta às Aulas, realizada nesta semana, reprovou nove[IP8,0,0] (14,5%)dos 62 lotes de produtos examinados em seus oito laboratórios . Em janeiro deste ano, foram reprovados 3 de 48 lotes (6,25%) – ou seja, a quantidade de irregularidades detectadas mais do que dobrou, em termos porcentuais.

Os produtos foram coletados no comércio, lojas especializadas e fabricantes, produtos como cadernos, colas, tintas, etiquetas, diversos tipos de papel em todo o estado.

“Sempre realizamos esta operação antes do início das aulas, em janeiro e julho. Isso porque o consumidor não tem como identificar as irregularidades e acaba confiando no que a embalagem informa. Ninguém conta o número de folhas de um caderno, por exemplo”, diz Vera Gonçalves, do núcleo de fiscalização de produtos pré medidos do Ipem-SP.

Os cadernos, inclusive, foram os itens mais problemáticos. A maior irregularidade foi encontrada no laboratório de São José do Rio Preto, onde amostras de caderno de cartografia chegaram a apresentar falta de 15 folhas. “As fabricantes foram autuadas e tem 10 dias para apresentar defesa. Podem ser multadas de R$ 100 a R$ 50 mil”, diz Vera.

Outro cuidado fundamental é com a segurança do produto, já que o barato pode sair caro). “Evite comprar produtos de procedência duvidosa, como ambulantes e lojas suspeitas. E exija sempre a nota fiscal. Ela é a segurança para acionar a empresa em caso de problemas com o artigo”, explica Diógenes Donizete, assistente de direção do Procon-SP.

Além disso, dê preferência a produtos que possuem a Etiqueta do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) – atualmente, são 4.414 produtos com a certificação. Privilegie também estabelecimentos que têm tradição de mercado e que sejam reconhecidos pela qualidade do serviço.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.