Mais consumidores trocam de operadora de celular

Atraídos pelas promoções das empresas de telefonia, 2,6 milhões de clientes usaram a portabilidade, migrando para a concorrente sem mudar o número, no primeiro semestre, ante 1,8 milhão do mesmo período de 2009

Marcelo Moreira

24 Julho 2010 | 08h40

Carolina Dall’Olio

Em seu segundo ano de vigência, a portabilidade – que permite aos clientes da telefonia fixa ou móvel mudar de operadora sem ter que trocar o número da linha – ganhou mais adeptos. Quase 2,6 milhões de consumidores solicitaram a  transferência no primeiro semestre de 2010, ante pouco mais de 1,8 milhão no mesmo período de 2009 .

A medida entrou em vigor em setembro de 2008. De lá para cá, 5.748.636 pessoas fizeram a migração. O número, entretanto, ainda é pequeno se comparado ao universo total de usuários. Representa menos de 3% dos cerca de 226 milhões de clientes de telefonia fixa e móvel.

O procedimento de troca é simples. Basta solicitar a migração à nova operadora e aguardar, no máximo, três dias. Não é preciso sequer telefonar para a empresa antiga ou pedir o cancelamento. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informa que o único inconveniente possível da mudança é o telefone ficar inoperante por duas horas durante a migração.

Mas se é tão fácil assim fazer a transferência, por que os números da portabilidade ainda são baixos? Certamente não é porque os consumidores estejam satisfeitos. De acordo com pesquisa realizada pela consultoria CVA Solutions com mais de 4 mil usuários de telefonia móvel, 65% afirmam que prefeririam ser clientes de outra operadora.

“O serviço de telefonia, em comparação com outros, é muito mal visto pelos consumidores. Entretanto, mesmo com a possibilidade de poder mudar de empresa, muitos ficam onde estão por acharem que, na outra operadora, o quadro não vai melhorar muito”, afirma Sandro Cimatti, diretor da CVA Solutions.