Mais casos de mau atendimento nos planos de saúde

Marcelo Moreira

24 Maio 2010 | 16h08

A falta de informações e o mau atendimento parecem ser regra atualmente nos serviços prestados pelos planos de saúde. As histórias abaixo são exemplos claros da falta de compromisso com os clientes dessas empresas.

“O  meu filho tinha convênio com a Amico, que agora é da Amil. Só que não estamos tendo a mesma assistência de antes, já que ele está internado com infecção urinária em um hospital que não quer transferi-lo para um quarto. Eles alegam que ainda estamos na carência. Mas eu não pedi para trocar de empresa e, por isso, a Amil tem o dever de honrar com as obrigações da Amico.”

Denilson Pandolfo, São Paulo

RESPOSTA DA AMICO: Amico Saúde informa que, em contato telefônico, esclareceu o ocorrido e informou as providências adotadas. Colocamo-nos à disposição para eventuais esclarecimentos futuros. 

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: Após a reclamação do leitor ao jornal, o convênio liberou a internação da criança, que ficou horas no pronto-socorro.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: O convênio jamais deveria ter exigido a carência, pois o caso era de urgência, situação na qual o atendimento deve ser feito de imediato e sem embaraço, conforme tem decidido repetidamente a Justiça. Nem mesmo o prazo de carência de 24 horas deve ser exigido numa situação como esta, especialmente por envolver o atendimento a uma criança.

“Meus pais foram clientes da Avimed durante dez anos e, quando a Itálica Saúde assumiu o controle, passamos a enfrentar diversos problemas. Da quantidade de médicos credenciados que consta na internet ou no livro, 80 % se descredenciou, assim como clínicas e hospitais. Meu pai de 71 anos está aguardando uma cirurgia de prótese de joelho, porém após várias tentativas de marcar uma data, ainda não conseguimos confirmar o procedimento. Recorri a ANS, mas não obtive resposta. Exijo o direito dos meus pais, que sempre honraram com o pagamento.

Sonia Peres Barbiéri Bortolin, São Paulo

RESPOSTA DA ITÁLICA:  A Itálica Saúde entrou em contato com um de nossos hospitais parceiros e o mesmo já
se prontificou a agendar o procedimento cirúrgico para o paciente.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃOA empresa remarcou uma data para a cirurgia, mas a cliente não acredita muito,
já que o procedimento foi desmarcado várias vezes.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: Este é mais um exemplo de que os consumidores brasileiros pagam caro (e muitas vezes o que não podiam pagar) para ter um atendimento de qualidade à sua saúde e, em troca, receberam um Sistema Único de Saúde (SUS) particular – tão humilhante ou mais do que o sistema público.

Ou seja, os consumidores de plano de saúde vem sendo traídos, a céu aberto, com a complacência cínica das autoridades engravatadas e da omissa agência reguladora do setor: a ANS. Diante do abandono, resta à vítima de tal lesão, lutar na Justiça para exigir o fiel cumprimento do contrato, bem como a devida reparação por dano moral, em razão do acinte à sua saúde e dignidade.

Mais conteúdo sobre:

AmicoItálicaplanos de saúde