Maioria não compara planos antes de comprar celular

Pesquisa do Procon mostra que 64,4% dos consumidores não pesquisam preços dos pacotes oferecidos pelas operadoras. Com isso, deixam de adquirir aparelhos e serviços mais em conta e adequados ao perfil de uso

Marcelo Moreira

01 Julho 2010 | 12h21

Gisele Tamamar 

Na hora de comprar um celular, 64,44% das pessoas não comparam os planos oferecidos entre as operadoras. O principal motivo alegado para a falta de pesquisa é o interesse por uma determinada companhia de telefonia, de acordo com levantamento divulgado ontem pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP).

O restante dos consumidores alegou desinteresse, desconhecimento, informações insuficientes ou diversidade de apresentação dos planos entre operadoras para não fazer a comparação. Diante disso, a assistente de direção do Procon-SP, Valéria Cunha, reforça a importância de comparar preços.

“A pesquisa é fundamental tanto para a compra de produtos ou para contratação de serviços porque a variação de preços pode ser muito grande”, alerta ela.

O levantamento também mostra que 45,56% dos entrevistados apontaram os planos oferecidos pela operadora, principalmente aqueles que levam em consideração as ligações entre a mesma companhia, como principal critério usado na escolha do aparelho.

“O consumidor é motivado a contratar a mesma operadora das pessoas com quem convive em busca de uma maior economia, inclusive existe uma tendência de as pessoas terem mais de um chip para buscar promoções”, explica a especialista do Procon-SP.

Outros 41,67% apontaram os recursos do aparelho como critério de compra. O professor de Redes de Computadores da Fiap, Almir Alves, afirma que o brasileiro, muitas vezes, compra por impulso e não leva em consideração o impacto do valor no orçamento. “Ele compra porque gostou do modelo, porque tem mais recursos ou porque é esteticamente bonito. Tem celular que custa mais que um notebook”, diz.