Juros do comércio persistem em queda

Marcelo Moreira

12 de maio de 2009 | 23h56

Os juros cobrados no comércio seguem em queda e já voltaram a patamares pré-crise, atingindo as menores taxas desde julho do ano passado.

Segundo levantamento da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os juros do comércio ficaram, em média, em 6,12% em abril.

Em abril de 2008 os juros no comércio eram de 6,01% ao mês. No auge da crise, em novembro, chegaram a 6,40%. Outras modalidades apresentaram curvas semelhantes.

Os empréstimos pessoais, que tinham taxas de 5,39% ao mês em junho de 2008, passaram por um período de alta, chegando a 5,68% em novembro, voltando a 5,39% em abril.

A média do cheque especial ficou em 7,66%, a menor em 12 meses, assim como a do CDC, que teve média de 2,88%. Os empréstimo pessoal nas financeiras registrou taxas médias de 11,24% ao mês, as menores desde maio passado.

Segundo o vice-presidente da Anefac, Miguel de Oliveira, a queda no comércio já é reflexo dos três cortes consecutivos na taxa básica de juros, a Selic, que somaram 3,5 pontos percentuais.

Outro fator, diz ele, é o próprio desaquecimento do mercado, que faz com que o comerciante se veja forçado a facilitar o crédito. “Ele faz de tudo para desovar o estoque e pressiona seu agente financeiro a trabalhar com taxas mais baixas. Se não fizer isso, não vende”.

Tendências: