Juro do cheque especial é o maior em cinco meses

Marcelo Moreira

28 Maio 2010 | 07h30

DO JORNAL DA TARDE

 

Os juros do cheque especial voltaram a subir. A taxa anualizada da modalidade marcou 161,3% em abril, maior valor em cinco meses, segundo dados mais recentes do Banco Central. O economista Celso Grisi, diretor presidente do Instituto de Pesquisas Fractal, afirma que o movimento detectado pela autoridade monetária é fruto de uma preocupação com a inadimplência, que deve voltar a subir.

Segundo Grisi, o nível de endividamento das famílias com renda até R$ 1,2 mil, ultrapassou a 30% do orçamento mensal. “A inadimplência deve subir nos próximos meses, por isso os bancos já estão se protegendo de perdas futuras”, afirma.

Ele acredita que até o final de 2010, a inadimplência para a pessoa física aumente até um ponto e meio porcentual que, na comparação com abril, elevaria a taxa a 8,3%.

O economista desaconselha que famílias com rendimento até R$ 1,2 mil comprometam mais de 20% dos ganhos com prestações. Apesar da projeção de Grisi, os números do Banco Central seguem apontando queda na inadimplência das pessoas físicas. Em abril, o calote fechou em 6,8%, mantendo trajetória de queda iniciada junho de 2009.