Ipem reprova materiais de construção

Em dois dias, o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) examinou 103 lotes de materiais cerâmicos para alvenaria e reprovou 23 (22,33%) por apresentarem menor quantidade de produto em relação à indicada na embalagem

Marcelo Moreira

12 de novembro de 2010 | 13h12

Em dois dias, o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) examinou 103 lotes de materiais cerâmicos para alvenaria e reprovou 23 (22,33%) por apresentarem menor quantidade de produto em relação à indicada na embalagem.

A “Operação João-de-barro” verificou simultaneamente (na capital e no interior) itens como tijolo, material vazado, canaleta, bloco cerâmico, dentre outros materiais usados na construção civil. Nos dois dias de ação, o laboratório do Ipem na capital foi o que apresentou maior índice de irregularidades, reprovando 8 (33,33%), dos 24 lotes fiscalizados.

Já no interior, foram verificados 79 lotes e 15 (18,98) apresentaram erros quantitativos. As empresas autuadas podem receber multa de R$ 100 a R$ 50 mil, dobrando na reincidência.

Tudo o que sabemos sobre:

cerâmicaIpem

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.