Ipem acha erros em 25% dos itens hospitalares

Marcelo Moreira

21 de outubro de 2011 | 16h11

Em dois dias de ação, fiscais do Ipem-SP e da Fundação Procon-SP examinaram 136 lotes de produtos hospitalares comercializados em farmácias e lojas especializadas e reprovaram 34 (25%) por irregularidades.

Itens como curativos, fios cirúrgicos para suturas, luvas, esparadrapos, lençol hospitalar foram alvo da operação que aconteceu simultaneamente na capital e outras sete cidades paulistas. Representantes das empresas fiscalizadas foram previamente convidados a presenciar os exames.

“É preocupante constatar que um quarto de todos esses produtos, que são destinados a saúde da população e utilizados principalmente em emergências médicas apresentam irregularidades. Esperamos do segmento de produtos hospitalares que haja mais rigor com os padrões de medidas na fabricação, pois o consumidor está claramente sendo prejudicado”, avalia Fabiano Marques de Paula, superintendente do Ipem-SP.

Empresas autuadas por erros quantitativos têm dez dias para apresentar defesa ao órgão, que define, então, multa entre R$ 100 a R$ 50 mil, dobrando na reincidência.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.