Hotéis terão novo padrão de ‘estrelas’

A partir de outubro, turistas viajantes a negócios encontrarão os primeiros hotéis brasileiros classificados dentro de novo padrão de estrelas. Pelo novo sistema, a adesão será voluntária e os meios de hospedagem serão classificados através de uma auto-declaração feita pelo estabelecimento

Marcelo Moreira

20 de agosto de 2010 | 08h40

Saulo Luz

A partir de outubro, turistas viajantes a negócios encontrarão os primeiros hotéis brasileiros classificados dentro de novo padrão de estrelas. O Ministério do Turismo (MTur) e o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) já terminaram o novo sistema de classificação de hospedagem que definirá os requisitos mínimos que cada empreendimento precisa oferecer para se enquadrar numa determinada categoria.

Atualmente, não vigora oficialmente nenhum sistema de classificação hoteleira por estrelas reconhecido. Com isso, há uma banalização e distribuição excessiva de estrelas em estabelecimentos.

“Hoje não existe um controle dessas atribuições de estrelas. O modelo antigo não atendia às necessidades atuais do turismo nacional e tinha uma matriz desatualizada. Decidimos reformular todo o sistema”, diz Ricardo Moesch, diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico do Ministério do Turismo (MTur).

Pelo novo sistema, a adesão será voluntária e os meios de hospedagem serão classificados através de uma auto-declaração feita pelo estabelecimento. Apesar de não ser obrigatório, ele condiciona a adesão ao direito de usar o termo “estrelas”. “Quem quiser ostentar uma placa indicando o número de estrelas deverá obrigatoriamente participar do processo de certificação e classificação”, diz Moesch.

A classificação inicial será válida pelo período de três anos, podendo ser renovada por outros três, caso o estabelecimento seja aprovado na avaliação feita.

Nos casos dos locais de hospedagem de quatro e cinco estrelas, além da verificação agendada pelo Inmetro, também serão feitas ações de fiscalização por meio da utilização da avaliação de hóspedes.

O novo sistema contemplará sete matrizes diferentes: hotel, resort, hotel-fazenda, cama e café, hotel histórico, pousada e flat/apart-hotel.

Dentro de cada matriz haverá critérios obrigatórios e eletivos (não obrigatórios) diferentes para enquadrar cada empreendimento em sua categorias. “O resort, por exemplo, terá que ter metragem mínima e piscinas, além de ter entre quatro e cinco estrelas”, lembra Moesch.

Assim, muitos hotéis que se classificam como resort poderão perder essa classe e passar a serem considerados hotel-fazenda, hotel ou pousada. Em setembro, começa a implantação em nível nacional. Nesse ritmo, em outubro, deveremos ter o primeiros hotéis estrelados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.