Greve de fome para chamar a atenção da TIM

Durou quatro horas e meia a greve de fome que o dono de uma agência de turismo resolveu fazer ontem na porta da operadora TIM, no Morumbi, zona sul, para chamar a atenção sobre um problema que, diz ele, vinha enfrentando havia 80 dias

Marcelo Moreira

06 Julho 2010 | 08h20

Paulo Sampaio

Durou quatro horas e meia a greve de fome que o dono de uma agência de turismo resolveu fazer ontem na porta da operadora TIM, no Morumbi, zona sul, para chamar a atenção sobre um problema que, diz ele, vinha enfrentando havia 80 dias.

Ricardo Caro alega que os 26 aparelhos que adquiriu em 14 de abril para sua empresa permaneceram mudos até ontem (a operadora acabou ligando os celulares ontem mesmo). “Por negligência deles (operadora), minha agência está incomunicável há quase três meses. Imagina se você tivesse distribuído panfletos chamando para uma promoção e os clientes nunca conseguissem entrar em contato.”

Segundo a TIM, as linhas da Terra Santa Viagens, nome fantasia da empresa Regina Celis da Silva Mathias Caro ME, foram bloqueadas em 9 de junho “como parte de processo de verificação da documentação apresentada”. Reconhece que conversou com Caro ontem e religou as linhas, “até que seja finalizada a análise por parte da operadora”.

Diz também que tais documentos foram solicitados várias vezes, mas Caro nunca os apresentou. De acordo com o empresário, a operadora já tinha levantado a documentação quando o pacote foi adquirido. Ele afirma que quer R$ 450 mil de indenização.