Fique atento à qualidade do leite

trindadeeleni

27 de fevereiro de 2009 | 14h52

SAULO LUZ e ELENI TRINDADE

O consumidor brasileiro deve prestar muita atenção na hora de comprar leite, pois as autoridades do País estão preocupadas com a origem do leite importado da Argentina, em grande parte em pó. A desconfiança é de que o alimento seja produzido na Europa e que esteja sendo reidratado e vendido no mercado brasileiro como leite longa vida (UHT), prática proibida no Brasil.

“Observamos que em 2008 houve um aumento expressivo na importação de leite argentino. E desconfiamos que a Argentina esteja comprando leite da União Européia e revendendo para o Brasil”, explica a senadora Kátia Abreu, que também é presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Ela alerta que a falta de identificação exata da origem do leite poderia por em risco a saúde do consumidor.

Como o problema é de difícil constatação pelo cidadão, o caminho é se manter informado sobre ações de fiscalização por meio do site do Centro Integrado de Monitoramento e Qualidade do Leite (www.cquali.gov.br).

Coordenado pelos Ministérios da Justiça, da Agricultura e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o site mostra quais marcas e lotes do alimento foram interditados por problemas de qualidade, além de verificar os resultados das ações de fiscalização conjunta dos ministérios e da Anvisa. A página tem, ainda, informações sobre produtos clandestinos e seus riscos, além de esclarecimentos sobre a importância do leite e direitos do consumidor.

Preocupação

“Estamos preocupados por razões sanitárias. É preciso redobrar a vigilância sobre esse leite ou o consumidor brasileiro vai ficar a mercê de um leite que não se sabe a origem.”

Além disso, como o preço do produto em pó que vem da Argentina é muito baixo, comerciantes podem estar reidratando o leite em pó para transformá-lo em leite UHT (longa vida de caixinha). “Esse procedimento é proibido pelas autoridades sanitárias. Com o leite em pó é permitido fazer queijo e outros laticínios . Mas, leite longa vida, não”, afirma Kátia Abreu.
Do ponto de vista nutricional também há risco.

A nutricionista Cínthia Perine explica que pode haver alteração na quantidade dos nutrientes se o leite for reidratado. “Se um leite foi feito para ser comercializado em pó e tem sua forma alterada, e só depois de algum tempo é consumido, pode haver comprometimento na quantidade e na qualidade das vitaminas usadas para enriquecer o produto”, diz. “Além disso, é muito difícil para o consumidor distinguir os tipos de leite.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.