Falha prejudica o pagamento do IPVA

Marcelo Moreira

11 de janeiro de 2010 | 22h42

PAULO JUSTUS – JORNAL DA TARDE

Os contribuintes paulistas tiveram dificuldades ontem para pagar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). De acordo com a Secretaria Estadual da Fazenda, a alta demanda pelo serviço provocou as falhas.

Até as 16h30 de ontem 1 milhão de contribuintes haviam recolhido o imposto, de acordo com levantamento prévio da Secretaria da Fazenda.

Quem não conseguiu efetuar o pagamento do tributo com desconto de 3% ainda pode usufruir do benefício até 21 de janeiro. No entanto, vai ter de desembolsar, além do valor do imposto o adiantamento do licenciamento do veículo. Já o contribuinte que não conseguiu pagar a primeira parcela em dia vai ter de pagar juros.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o sistema de pagamentos apresentou problemas de conexão com o sistema do governo, que calcula o valor do tributo, e ficou pelo menos uma hora fora do ar, período em que todas as formas de pagamento foram recusadas – internet, caixa eletrônico e na boca do caixa.

De acordo com o assessor técnico da Febraban, Walter Tadeu, os bancos acionaram um sistema de contingência que permitiu o pagamento normalmente. “O contribuinte que insistiu conseguiu realizar a operação”, diz.

Esse sistema faz o cálculo do imposto diretamente nos servidores dos bancos, sem contatar os computadores do Estado. Posteriormente, os pagamentos no período de falha de comunicação são informados ao governo, para que dê baixa.

Segundo Tadeu, os problemas começaram na segunda-feira passada, e se repetiram também na quinta-feira. “O sistema está apresentando interrupções na conexão com os computadores do Estado. Ainda não se sabe a causa do problema”, afirma.

Essas mesmas falhas ocorreram no ano passado e provocaram a prorrogação do prazo de recolhimento imposto. Os proprietários de veículos com placa final 4, que enfrentaram problemas na época, ganharam mais quatro dias para pagar o IPVA, sem multas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.