Fabricantes afirmam que risco não foi comprovado

A Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) afirma que as indústrias seguem as normas determinadas pela Anvisa e, portanto, os produtos plásticos não oferecem riscos à saúde

Marcelo Moreira

17 Julho 2010 | 20h30

Laís Cattassini

A Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) afirma que as indústrias seguem as normas determinadas pela Anvisa e, portanto, os produtos plásticos não oferecem riscos à saúde.

Segundo o diretor de assuntos técnicos da associação, Marcelo Kos, os riscos do bisfenol A ainda estão sendo estudados e não foram comprovados. Para ele, a quantidade de substância presente em produtos feitos com policarbonato não são prejudiciais.

“O bisfenol pode se desprender do policarbonato, mas apenas se for colocado em condições extremas. Como as mamadeiras precisam ser feitas com policarbonato de altíssima qualidade, as chances de contaminação são minimizadas”, afirma Kos.

O representante dos fabricantes diz ainda que o policarbonato só pode ser produzido a partir do bisfenol e é utilizado em outras áreas da indústria, como na fabricação de óculos de proteção, resinas e outros objetos que não entram em contato com alimentos.

Para dificultar ainda mais a migração de moléculas de bisfenol do recipiente de plástico para os alimentos, Kos recomenda que as mães evitem aquecer as mamadeiras.

“Os pais não devem aquecer o leite direto na mamadeira, seja no fogão ou no micro-ondas. Também é melhor não colocar alimentos muito quentes dentro do recipiente. Isso diminui as chances de migração”, indica.

Mais conteúdo sobre:

bisfenolmamadeiras