Empréstimo para as contas de janeiro, só se for inevitável

Marcelo Moreira

25 de dezembro de 2008 | 19h41

RODRIGO GALLO – JORNAL DA TARDE

Como as contas não podem esperar, muitas vezes a pessoa é obrigada a tomar empréstimos bancários para quitar os carnês.

Se essa opção for inevitável, a melhor alternativa é recorrer ao crédito consignado, cujas prestações são descontadas diretamente da folha de pagamento do trabalhador ou aposentado. Como os riscos de inadimplência são menores, as taxas são mais baixas.

Outra alternativa seria usar a linha de penhor oferecida pela Caixa Econômica Federal. No início da semana, o banco anunciou a redução dos juros cobrados pelo empréstimo. As taxas caíram de 2,99% para 2,25% ao mês.

“Essa é uma boa opção principalmente para janeiro, quando chegam os carnês do IPTU e IPVA. A vantagem é que os juros são baixos e, além disso, o dinheiro é entregue no ato”, diz o gerente regional da Caixa, Silvio Diz.

Dívidas antigas

O governo estadual abriu o Programa de Parcelamento de Dívidas voltado aos donos dos veículos que têm dívida de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) anteriores a 31 de dezembro de 2006. Esses contribuintes poderão quitar o débito com até 75% de desconto na multa e 60% nos juros de mora até o dia 31 de março de 2009.

Para conseguir o abatimento máximo, o contribuinte precisa pagar a dívida em uma única vez. Quem optar pelo parcelamento do débito em até 12 vezes, a redução corresponderá a 50% do valor da multa e 40% dos juros.

De acordo com a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, há 1,5 milhão de automóveis com atraso no pagamento do IPVA até 2006, valor que chega a R$ 1,3 bilhão em débito.

Durante este mês, os contribuintes receberam a notificação da dívida com as duas propostas para acertar as contas com o governo estadual. Vale lembrar que dívidas inferiores a R$ 100 só poderão ser quitadas à vista.

Quem não recebeu o aviso dos vencimentos atrasados ou pretende negociar a dívida para prazos maiores pode se inscrever no programa pelo site www.ppd.sp.gov.br.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.